Elucubrações verborrágicas (ou Ser Cansa II)



Por Leilane Paixão



Nunca gostei de teorizar nada, você sabe. Acho que teorias se tornam, às vezes, armadilhas. Elas nem sempre nascem com a intenção de aprisionar o nosso olhar, mas você sabe como a gente é... Se não tem cuidado, logo está lá naquela zona altamente confortável, em que já não precisamos nos esforçar muito para pensar, questionar ou compreender algo novo. É confortável ter uma teoria que nos explique o mundo e nos livre da angústia de encarar os seus mistérios. Ora, vamos... Você sabe que hoje em dia só tem vez e voz quem é mestre, doutor... E esses daí, ah... Esses daí têm de saber tudo. São especialistas, não são? Ai deles que não decorem de cabo a rabo o livro de filósofo x, psicólogo y, pai da psicanálise w, neuropsiquiatra fulano de tal...

Sabe que às vezes canso de ter de saber o que eu sei e o que eu ainda não sei? Não basta existir. Nunca bastou. Todos cobram e te exigem algo. O que há por trás da abertura? Que abertura mesmo? Não sei se há abertura, ou se há o certo e o errado. Eles dizem que não há uma maneira, mas acho que pressupõem uma maneira. Como sei? Fala para eles como é que você faz e aguarda as críticas.

Não se engane. Há o certo e há o errado. Somos inúmeras possibilidades de vir a ser, mas se você escolher essa possibilidade você não pode ser mais nenhuma. Você deixa de ser vasto, entendeu? Nada de ser constelador se você escolheu ser psicólogo. Pelo melhor bem dos bens que você possa proporcionar para as pessoas. Não, eu estou dizendo que você não pode. Não é ético. E você nem me perguntou o que é ética para mim. Eu sei que você está a fim do oba-oba e da suruba epistemológica. Eu não estou interessado em saber como você compreende as coisas ou faz o que faz. Você está errado só por pensar assim e ponto. Pensou isso, já errou.

Usou a palavra errada!! Tá vendo? Caramba, você sabe muito bem que "observar", "constatar", "verificar" e "perceber" são palavras positivistas, cientificistas... Pare de usá-las já ou você não é digno do meu gueto! Aqui usamos gírias diferentes: compreender, acolher, apreender, partilhar... Elas ampliam, sabe? Abrem o olhar, saem daquele velho paradigma cartesiano e mecanicista. Então, cara... Se você quer fazer parte desse grupo radical aqui, tem de polir seu vocabulário right now. Aliás, cara, mude sua forma de ver as coisas, por favor. Você sabe que não adianta só usar a roupa das palavras sem a sua significação. Ainda me pergunta se eu realmente sei como você vê e significa as coisas? Cara, claro, que eu sei. Pelas palavras que você usa, já sei tudo. E quer saber? Nem sei se estou realmente interessado nisso. Estou muito ocupado em defender o meu ponto de vista, daí fica difícil me deslocar para compreender o seu.

Cara, sai dessa. O mundo está cada vez mais técnico e as pessoas querem a cura do mal de viver. Você leu filósofo de tal e sabe porque a abordagem XYZ tem ganhado tanto espaço. Claro, ela tem respondido ao que a galera dessa Era quer. Ninguém quer sentir dor, cara. Ninguém quer botar a cabeça pra pensar e meditar. É porque pensar demora muito... Tudo tem que ser rápido, rapidinho. Eles querem ter controle de tudo, meu irmão! Não adianta tu dizer que o rio corre sozinho, porque eles querem empurrar o rio com a mão pra ver se o rio corre mais rápido! Não é a toa que todo mundo anda ansioso. A indústria farmacêutica deve estar festejando a intensa venda de ansiolíticos, não é mesmo? Você entende por que esses profissionais que atendem ao que essa galera está pedindo estão errados? É que o ser humano de hoje perdeu de vista o que é da ordem da própria existência e da nossa condição humana.

Eles querem medicalizar tudo, cara... É uma onda geral de Dr. Google, prescrição, psicotrópico, diagnóstico e felizes para sempre. E eu nem preciso te ouvir muito para saber que você faz parte é dessa galera aí, e não da minha.

Ora, não estou te excluindo. Talvez eu só tenha dificuldade de te ouvir. Sei que me digo o profissional da escuta, disponibilidade afetiva, compreensão... mas em se tratando de colegas eu realmente ando muito com o pé atrás. Quer rezar na minha cartilha, vem pra cá. Mas se discordar um milímetro ou usar a palavra errada, sai pra lá, meu irmão. Tem que usar a palavra certa pra doutor não reclamar. Não está vendo que estou muito ocupado catequizand... opa... ensinando esses daqui? Não, eu não trago verdades absolutas. É só um ponto de vista. Ah, o seu não é relevante. Me desculpa. Vá aprender a falar direito. E, por favor, também vá aprender a botar as coisas em cada saco. Você tá misturando tudo. Guarde sua vastidão para outra esfera do seu ser. Isso, exatamente... Fragmente-se!

Se você anda cansado das críticas, peça pra sair. Não é a toa que as pessoas estão se tornando cada vez mais individualistas, não é mesmo? Fica na tua e procura falar menos. Fica quietinho, pianinho. Não estamos numa época boa para o diálogo. Há uma epidemia de "surdez" para o outro. Tô livre disso também não. Faz isso, tá? Não fique se justificando. Simplesmente se seja. Sei que é uma tarefinha nada fácil nos dias de hoje, mas o que lhe resta? Só ser. E, por favor, seja você e não o que os outros esperam que você seja. Se conseguir, me conta depois.


* Imagem: https://bsnbrazil.files.wordpress.com/2014/02/4215a-verborragico.jpg?w=350&h=200&crop=1

Comentários