O terrorismo no Oriente Médio contemporâneo

*

Por Jonathan Mendes Caris


Ao olhar para o Oriente Médio, chama a atenção, além do grande problema da guerra e todo o caos que dela decorre, a internacionalização de um grupo terrorista em específico — o Daesh. Diferentemente da Al-Qaeda, Talibã, Frente Al-Nusra e outros grupos, o protagonismo de toda a barbárie no mundo árabe e também ocidental foi o meio empregado pelos jihadistas para fortalecer o grupo, proporcionado pela modernização de toda a estrutura que o compõe, possibilitando a acumulação das conquistas no Iraque e na Síria.

O diferencial da nova célula terrorista é a utilização de tudo o que é moderno para a implantação de um projeto de governança ultrapassada – o califado. A estrutura que mantém a sua existência é de longe muito bem planejada em comparação aos outros grupos terroristas que lutam para garantir as suas existências. O Daesh luta para conquistar territórios. A facção mostrou ao mundo o alcance dos seus tentáculos, que não se limitam apenas ao Iraque e Síria, alcançando os cinco continentes. Isso foi possível por meio da ferrenha propaganda midiática, mais precisamente por meio da internet. O Daesh tomou consciência do tempo-espaço onde se encontra, e usa a seu favor todos os mecanismos que a modernidade lhe oferece.

O rompimento com a velha forma de fazer guerra fundada pelo Taliban e Al-Qaeda foi realizado assim que o grupo entrou em campo. A facção surgiu para fazer aquilo que os outros grupos não conseguiram há anos. Começou como ISIL— Islamic State of Iraq and the Levant (Estado Islâmico do Iraque e do Levante), mais tarde mudou para ISIS—Islamic State of Iraq and Syria (Estado Islâmico do Iraque e Síria) até chegar ao Estado Islâmico como é conhecido nos quatro cantos do globo.

O Daesh permanecerá por um longo tempo impondo o terror ao mundo. Pois enquanto os países da comunidade internacional discutem entre si – cada qual com o seu interesse – sem chegar a uma solução plena, o Daesh continua a toda velocidade sem nenhum obstáculo relevante em seu caminho para implementar o projeto de califado.

Do início da sua ofensiva até o momento, a facção mostrou que é capaz de apagar fronteiras, coagir combatentes internacionais em massa, administrar as cidades conquistadas, gerar uma economia paralela e crescer não só econômica, mas também belicamente, mesmo estando sob os bombardeios da coalizão internacional. Se a comunidade internacional não chegar a um interesse comum para mudar o rumo dessa guerra, o Daesh só se mostrará mais forte aumentando as dificuldades para conter seus tentáculos.

Enfim, o que faz com que o idealismo idiota do Daesh soe cômico é a contradição de todos os seres humanos que compõem as fileiras desse exército de ignorantes que utilizam todos os meios proporcionados pelo mundo moderno para construir um Estado sob a batuta do califado, que proíbe esses mesmos meios.


* Imagem: https://pt.wikipedia.org/wiki/Estado_Isl%C3%A2mico_do_Iraque_e_do_Levante

Comentários