A CŒUR OUVERT

*
um filme de Ayekoro Kossou

Por Luísa Fresta

Em pouco mais de 15mn, Ayekoro Kossou, jovem realizador franco-beninense consegue passar uma clara mensagem de esperança no ser humano, na sua capacidade de adaptação e de crescimento. Fá-lo através de um drama contado com simplicidade e por meio de uma história tocante, com a qual nos podemos identificar e sentir comprometidos como indivíduos. Jamais força a nota do melodrama, a história envolve-nos com gentileza e subtileza. Nela são abordados temas ainda e infelizmente perfeitamente actuais nas sociedades contemporâneas. A localização geográfica é irrelevante; dir-se-ia que a abordagem veste uma roupagem universal e adaptável, procurando ser o mais abrangente possível. Talvez seja esse um dos grandes méritos desta curta-metragem, (apresentada em numerosos festivais de referência um pouco por todo o mundo) o de poder chegar a um número incalculável de pessoas, independentemente dos seus constrangimentos sociais e culturais e da sua faixa etária.

Aïssa e Georges são um casal misto, que se entende bem no plano afectivo, mas a sua relação é mal percebida e contestada abertamente pela mãe deste, Marthe, uma senhora de meia-idade cujo comportamento abertamente racista, provocador e preconceituoso sobressai desde os primeiros diálogos. Marthe não esconde a sua aversão à nora e mima-a com comentários desagradáveis ao longo do dia, desde exclamações claramente insultuosas e inadequadas até pequenas farpas cortantes insinuando que Aïssa é gastadora e preguiçosa. «Mon fils n’a pas à repasser ses affaires, c’est un homme» (o meu filho não tem que passar a roupa dele a ferro, é um homem), é apenas um exemplo das demonstrações verbais mais flagrantes da sua arrogância. 

Para além do preconceito racial, também é abordado sem meias tintas o clássico conflito entre noras e sogras (neste caso há uma agressividade constante em sentido único), e, por outro lado, o machismo. De uma cajadada Ayekoro consegue matar ou pelo menos deixar inanimados vários coelhos: racismo, machismo e ainda aflorar, en passant mas com garra, o ciúme despropositado desta mãe possessiva e tóxica, que vê a sua cria ser abduzida pelas garras insistentes do amor sob a forma de uma rapariga, por acaso negra, que não corresponde ao seu ideal estereotipado de nora.

Difícil perceber como é que um filho criado em meio a tantos clichés e crenças irreais e malsãs consegue tornar-se num homem de bem e são de espírito, capaz de defender a relação com a mulher que escolheu mas também de tentar amenizar o ambiente com a mãe, mulher azeda e inconveniente, de chamá-la à razão, uma e outra vez, de tentar sensibilizá-la sem confrontá-la, nunca cedendo à tentação óbvia de reagir com as mesmas armas ou com a mesma crueza, considerando o seu comportamento bizarro como uma manifestação extemporânea de falta de tacto. Georges, em suma, move-se com elegância e boa-fé e evita aquilo que poderia facilmente descambar num violento conflito de lealdades, fazendo prova de uma diplomacia rara, mostrando que a comunicação é arte subtil…

As pessoas podem mudar na essência? Aparentemente sim, mesmo que apenas, e sobretudo, na sequência de uma acontecimento traumático que afecte as suas vidas. Pelo menos é o que nos sugere o realizador.

Ao quadro familiar juntemos um pai (de Aïssa) de uma ternura imensa e bastante convincente como actor (Bruno Henry). Com efeito, Albert é o apoio constante e inabalável da jovem Aïssa, que para a além das constantes agressões verbais da sogra tem que lidar com uma doença do foro cardíaco que estará na origem do desfecho absolutamente genial e imprevisível desta pequena história despretensiosa. Quanto à sua relação com a sogra, este pai aconselha sabiamente à filha: «Ignore-la. Laisse-lui aussi le temps de changer…» (Ignora-a. Dá-lhe tempo para mudar).

Para aqueles que se deixam embalar pela previsibilidade aparente dos diálogos e do desenrolar da trama, chamo a atenção para a reviravolta absolutamente inesperada do final. Uma narrativa eficaz e espontânea, verdadeiramente de «Coração Aberto», porventura vagamente ingénua, a espaços, que teve, como muitos filmes, curtas e longas-metragens sobre os quais já tive o prazer de escrever, o mérito de ter sido feito por um grupo de gente batalhadora e insistente, com meios financeiros limitados, e fruto do envolvimento de amigos e familiares. Exemplo desse encarniçamento persistente é o facto de Ayekoro intervir também como figurante e produtor delegado, para além de autor da história original. Creio que o cineasta tem ainda muita margem para expandir o seu estilo de narração, explorar diálogos e encenações. Mas o essencial está aqui patente com clareza: um inegável talento e honestidade artística como autor, dinamismo, capacidade de engendrar vida com uma dinâmica própria, e de ver para além do óbvio, de recriar a realidade numa linguagem da ficção.

Não poderia terminar estas linhas sem uma nota de admiração pela escolha feliz da música original, a cargo de Adrien Bekerman, sublime e pertinente, essencial, mesmo nas pausas, adivinhando-se nos silêncios entre uma e outra cena.

Comentário gentilmente enviado pelo realizador, em intenção dos leitores lusófonos:

«Com À Coeur Ouvert, optei por abordar o tema da mestiçagem na nossa sociedade contemporânea, a fim de exprimir, de uma forma mais imediata, uma das problemáticas que continuam a minar as relações entre os homens. Para esse efeito utilizo o quadro da vida social de um casal misto que se vê obrigado a lutar pela sua relação.

Este tema, da mestiçagem social, é ainda um assunto de actualidade na nossa época. E merece uma reflexão contínua de forma a permitir às diferentes sociedades em evolução uma melhor apreensão das realidades comunitárias. Um passo essencial para viver melhor em sociedade.

AK»

Tradução da mensagem de Ayekoro Kossou: Luísa Fresta

Alguns prémios:

DIKALO Award da melhor curta-metragem na 10ª edição do Filme Panafricano de Cannes em 2014.


Para mais informações sobre o filme, por favor consultar também :

https://www.facebook.com/ayekoro.kossou?fref=ts
http://www.africultures.com/php/index.php?nav=film&no=16278


* Imagens cedidas pelo diretor do filme.

Mais imagens:




 

Comentários